“O que ficou claro é que a aeronave não teve nenhuma falha mecânica, As opções e as decisões tomadas pelo piloto na ocasião não foram tidas como irregulares. Ainda que ele tenha mudado o plano de voo, estava dentro daquilo que é de possibilidade do piloto, então a gente vai agora para a questão do obstáculo”, disse Cunha, em coletiva de imprensa.

O obstáculo hoje se mostra como preponderante para o acidente. A gente tem que entender se o obstáculo deveria ou não ser identificado. Robson Cunha, advogado de Marília Mendonça
“Uma das orientações do relatório é a identificação dos cabos da Cemig, diz o advogado. “A partir desse evento que aconteceu com a Marília e os demais, eles [FAB] entendem [que há necessidade de] uma orientação para que a Cemig faça a identificação daqueles cabos”, afirmou.

O relatório ainda não foi disponibilizado para acesso público. O documento foi exposto inicialmente aos familiares das vítimas e/ou seus representantes legais e deve ser publicado ainda hoje no site do CENIPA (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) e no painel SIPAER.