No último 1º de janeiro, o Brasil passou a exigir que todos os automóveis e comerciais leves vendidos em seu território tenham airbag duplo dianteiro e freios antitravamento (ABS). No entanto, os veículos tupiniquins podem ficar mais seguros com itens mais simples. A Associação Nacional das Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) enviou documento ao governo federal pedindo que apoios de cabeça e cintos de segurança de três pontos para todos os ocupantes e conexão Isofix para assentos infantis passem a ser itens obrigatórios.

Ainda é estranho que uma indústria tão grande não tenha tais equipamentos como algo padrão, ainda mais pela simplicidade de sua aplicação. Com eles, os riscos de lesões e acidentes fatais diminuem consideravelmente. Cintos de três pontos seguram melhor o corpo dos passageiros, enquanto o apoio de cabeça reduz a chance de acontecer o chamado efeito chicote, que pode causar graves danos ao pescoço em batidas traseiras. Por fim, o sistema Isofix é um padrão global de encaixe de cadeiras infantis nos bancos dos automóveis, facilitando a fixação do assento.

Apesar disso, a obrigatoriedade total deve levar algum tempo. Nas palavras do vice-presidente da Anfavea, Antonio Megale, a estimativa é para algo em torno de “três e quatro anos”.