13.4 C
Araucária
domingo, junho 16, 2024

Carroceria de caminhão impede que teto de posto de combustíveis desabe

Data

Posts da semana

Empresário reage a assalto e atira contra o criminoso

Um assaltante foi socorrido em estado grave após ser...

Cantor Nahim é encontrado morto em sua casa

O cantor Nahim, foi encontrado morto em sua casa,...

Secretário de Segurança de Araucária é preso pelo Gaeco

O secretário de Segurança Pública de Araucária, Lincoln Roberto Stygar,...

A carroceria do caminhão carregado com latinhas vazias de cerveja, que invadiu um posto de combustíveis na PR-092, em Wenceslau Braz, na região dos Campos Gerais do Paraná, ainda não foi retirada do local. O acidente aconteceu no dia 30 de janeiro e oito dias depois, o veículo continua no mesmo lugar para segurar a cobertura do estabelecimento. Segundo o dono do posto Altair Cobalchini, se a carroceria sair, o teto corre o risco de desabar e destruir o que estiver embaixo.
Cobalchini conta que o motorista estacionou próximo ao estabelecimento e desceu para conversar com um colega. “Logo em seguida, o veículo começou a andar sozinho, desgovernado”, relata. O caminhão derrubou um pilar, uma bomba de combustível e destruiu a cobertura do posto. Por cerca de meio metro, o veículo não atingiu a churrascaria que funciona ao lado. Ninguém se feriu.
Caminhão derrubou um pilar, uma bomba de combustíveis e destruiu com a cobertura do posto (Foto: Odair José/Arquivo Pessoal)
Caminhão estava carregado com latinhas vazias de
cerveja (Foto: Odair José/Arquivo Pessoal)
O dono do posto conta que, nos próximos dias, as laterais, o forro e as telhas da cobertura começarão a ser retirados. A estrutura deve ficar por último. “Vai levar uns três meses para reconstruir tudo de novo”, acredita. Segundo ele, o prejuízo já passou de R$ 160 mil.
O dono do estabelecimento afirma que o movimento caiu depois do acidente. “Além da aparência do posto ter ficado feia, as pessoas ficam assustadas com o que aconteceu por aqui. Pelo menos, ninguém se machucou e é o que importa”, afirma.

- publicidade-

Economia