13.4 C
Araucária
domingo, junho 16, 2024

Confirmado novo caso de raiva bovina em Araucária

Data

Posts da semana

Empresário reage a assalto e atira contra o criminoso

Um assaltante foi socorrido em estado grave após ser...

Cantor Nahim é encontrado morto em sua casa

O cantor Nahim, foi encontrado morto em sua casa,...

Secretário de Segurança de Araucária é preso pelo Gaeco

O secretário de Segurança Pública de Araucária, Lincoln Roberto Stygar,...

Nos últimos dias, um novo caso de raiva bovina foi confirmado na região de Campina das Pedras, área rural de Araucária. No início do outubro, o primeiro caso havia sido confirmado na região vizinha de Campestre.

Vale lembrar que a raiva é uma doença altamente letal, por isso a Prefeitura, ADAPAR (Agência de Defesa Agropecuária do Paraná) e os demais órgãos competentes alertam e recomendam a vacinação dos animais, a fim de evitar a incidência da doença em animais de produção (gado, cavalos, ovelhas, porcos, búfalos, cabras). Além disso, é importante seguir as orientações fornecidas pela Secretaria Municipal de Agricultura (SMAG):

Transmissão e sinais clínicos em animais de produção
É importante destacar que a raiva é uma doença causada por um vírus e que pode acometer várias espécies de animais, inclusive os seres humanos. A doença não tem cura e é fatal, somente a vacina pode evitar o seu aparecimento.

A manifestação da doença nos animais de produção é através de isolamento do rebanho, salivação, agressividade, andar cambaleante, queda, paralisia dos membros com movimentos de pedalagem e morte.

O vírus é transmitido através da mordedura, arranhadura ou lambedura de um animal infectado. Para os animais de produção (bovinos, bubalinos, equinos, muares, asininos, ovinos, caprinos e suínos), o principal transmissor da raiva, é o morcego hematófago da espécie Desmodus rotundus.

Como agir em caso de suspeita de raiva
Em caso de suspeita de raiva, em hipótese alguma deve-se manipular o animal, o qual deve ser isolado imediatamente. Deve ser feita a notificação à Secretaria de Saúde (em caso de morcegos, cães, gatos e animais silvestres) ou Secretaria Agricultura (em caso de animais de produção). Estas, confirmarão a suspeita e comunicarão a ADAPAR que fará a coleta do material para o exame laboratorial. Em caso positivo, as medidas cabíveis serão tomadas.

Não há tratamento para a raiva e diagnóstico só é possível após a morte do animal, com a colheita de material do Sistema Nervoso Central que é enviado ao laboratório para exame. Os morcegos suspeitos também apresentam comportamento anormal, já que
naturalmente são animais com hábitos noturnos e quando estão infectados podem ser encontrados voando durante o dia ou caídos. Nestes casos, em hipótese alguma mexer ou pegar no animal.

Caso alguma pessoa entre em contato com a saliva de animais suspeitos ou positivos, deve comunicar imediatamente a SMSA que fará o protocolo adequado de vacinação às pessoas pós exposição viral.

Animais domésticos (de pequeno porte)
A Secretaria Municipal de Saúde (SMSA) ressalta que o Estado do Paraná apresenta uma situação epidemiológica favorável quanto a raiva transmitida por cães. O último caso registrado em cães foi em 2005. Em humanos, a doença não é diagnosticada desde 1989. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) uma região é definida como livre de raiva canina quando não há casos de raiva transmitida por cães por pelo menos 2 anos; o que é o caso do Paraná.

Ainda assim, a vacinação destes animais é a forma mais eficaz e barata de prevenção. A vacina é diferente para cães e gatos e animais de produção. Em animais de criação a vacina deve ser feita a partir de 3 meses de idade, com reforço após 1 mês e depois disso com reforço anual. Já em cães e gatos o protocolo de vacinação é a partir de 4 meses de idade com reforço anual.

Contatos

ADAPAR: 3393-3675.

Secretaria Municipal de Agricultura (SMAG) – Departamento Veterinário: 3614-7531.

Secretaria Municipal de Saúde (SMSA) – Vigilância Epidemiológica: 3614-7763.

- publicidade-

Economia