Comunicar erro

O advogado de um dos suspeitos de hackear o celular do ministro da Justiça, Sergio Moro, afirmou nesta quarta-feira (24) que, segundo seu cliente, o objetivo de Walter Delgatti Neto, outro envolvido no caso, era vender o conteúdo das mensagens interceptadas ao Partido dos Trabalhadores.
As declarações foram dadas por Ariovaldo Moreira, defensor de Gustavo Henrique Elias Santos e de sua mulher, Suelen Oliveira -ambos em prisão temporária no âmbito da Operação Spoofing. Delgatti também está detido.
“Ele (Elias Santos) confirma que o Walter (Delgatti) tinha ao menos informações acerca da conta de Telegram do juiz Moro. A única coisa que ele acrescentou a mais é que a intenção (de Delgatti) era vender essas informações ao PT”, disse Moreira a jornalistas, na Superintendência da Polícia Federal em Brasília, depois de acompanhar os depoimentos de seus clientes.
O advogado disse ainda que Elias Santos “não estava envolvido na empreitada criminosa” e que seu cliente não sabe se a venda do material ao partido político de fato ocorreu.
“O Walter disse que a intenção seria vender ao PT”, reafirmou o advogado.
Questionado por jornalistas sobre o fato de Delgatti ter sido filiado ao DEM, o advogado disse que a mesma pergunta foi feita a seu cliente no interrogatório, mas que Elias Santos “não soube responder”.
“O que o Gustavo sabe é que o Walter tem uma certa afinidade com o Partido dos Trabalhadores”, argumentou o defensor.
Moreira já havia comentado o caso de seu cliente mais cedo nesta quarta-feira. Ele havia dito que Delgatti chegou a mostrar parte do conteúdo interceptado para Elias Santos, ponto que reafirmou no final da tarde desta quarta.
“O próprio Vermelho (apelido de Delgatti Neto) mostrou algumas coisas para ele (Elias Santos), e ele assustou e falou: ‘Meu, cuidado com isso aí porque pode dar problema’. Na verdade, ele não acreditou naquilo, mas, pelo que foi narrado, mostraram algo para ele a respeito disso (invasão do celular de Moro)”, disse o advogado na manhã desta quarta.
Além de Elias Santos, Suelen e Delgatti, o quarto preso é Danilo Cristiano Marques.
Todos são naturais de Araraquara (SP), mas viviam ultimamente em cidades diferentes. Segundo a PF, os mandados de prisão foram cumpridos nas cidades de São Paulo, Araraquara e Ribeirão Preto (SP).
Na decisão em que autorizou a prisão dos quatro suspeitos, o juiz federal Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal do Distrito Federal, afirma que há “fortes indícios que os investigados integram organização criminosa para a prática de crimes e se uniram para violar o sigilo telefônico de diversas autoridades brasileiras via invasão do aplicativo Telegram”.
Moro associou a prisão dos quatro suspeitos à divulgação, pelo site The Intercept Brasil, de mensagens que mostram interferência do ex-juiz da Lava Jato nas investigações da força-tarefa.
Essa conexão, no entanto, não está citada na decisão do juiz Vallisney de Souza Oliveira. Tampouco há menção no pedido do Ministério Público que as fundamentou.