Pesquisa realizada pela Sanepar com os usuários de todo o Estado mostrou que 20,6% não possuem caixa-d’água, equipamento imprescindível para garantir a água no imóvel durante os períodos de interrupção do fornecimento na rede pública.

A Sanepar recomenda aos que verifiquem se há caixa-d’água instalada no imóvel e se a capacidade é compatível com o consumo da família. A companhia ressalta que a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) orienta que “o volume de água reservado para uso doméstico deve ser, no mínimo, o necessário para 24 horas de consumo normal no edifício, sem considerar o volume de água para combate a incêndio. No caso de residência de pequeno tamanho recomenda-se que a reserva mínima seja de 500 litros”.

Além da reservação domiciliar, o regulamento dos Serviços Prestados pela Sanepar (Decreto Estadual n.º 3926) estabelece ainda que os imóveis com mais de dois pavimentos, além da caixa-d’água superior, devem contar com cisterna.

FALTA DE ÁGUA – Em função das altas temperaturas, o consumo de água tratada aumentou significativamente em todo o Paraná, neste verão. Em Ponta Grossa, Francisco Beltrão, Guarapuava e Assis Chateaubriand foi necessário implantar o rodízio no abastecimento. As cidades foram divididas em grupos. Nenhum grupo fica mais de 24 horas sem receber água. Ou seja, estão ficando com as torneiras secas apenas os clientes que não possuem reserva domiciliar com capacidade para suprir as necessidades básicas pelo período do rodízio.