19.6 C
Araucária
domingo, junho 16, 2024

PF prende doleiro Alberto Youssef, delator da lava jato, após decisão da Justiça de Curitiba

Data

Posts da semana

Empresário reage a assalto e atira contra o criminoso

Um assaltante foi socorrido em estado grave após ser...

Cantor Nahim é encontrado morto em sua casa

O cantor Nahim, foi encontrado morto em sua casa,...

Secretário de Segurança de Araucária é preso pelo Gaeco

O secretário de Segurança Pública de Araucária, Lincoln Roberto Stygar,...

Por ordem do juiz federal Eduardo Appio, da 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba, a Polícia Federal prendeu nesta segunda-feira, 20, o doleiro Alberto Youssef – responsável por uma das principais delações premiadas da extinta Operação Lava Jato. Ele foi capturado em Itapóa, em Santa Catarina, onde mora, segundo sua defesa.

A custódia preventiva de Youssef foi decretada no bojo de uma representação fiscal para fins penais apresentada pela Receita Federal. O processo estava suspenso em razão dos termos da delação premiada fechada com o Ministério Público Federal, mas Appio sustou tal suspensão. Segundo o magistrado, o acordo não abrange o procedimento em questão.

A avaliação de Appio foi a de que não há notícia de que o doleiro tenha quitado seus débitos com o Fisco. Além disso, o magistrado levou em consideração que o condenado na Lava Jato não apresentou à Justiça seu endereço atualizado – ‘o que demonstra total desprestígio à justiça federal de seu país, bem como certeza de impunidade’.

“O relatório fiscal para fins penais da Receita Federal, deixa evidenciado que o acusado não devolveu aos cofres públicos todos os valores desviados e que suas condições atuais de vida são totalmente incompatíveis com a situação da imensa maioria dos cidadãos brasileiros. O simples fato de que possui diversos endereços e de que estaria morando na praia já evidencia uma situação muito privilegiada e que resulta incompatível com todas as condenações já proferidas em matéria criminal”, anotou o magistrado.

Nessa linha, o juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba assinalou que Youssef foi um ‘verdadeiro arquiteto de diversas organizações criminosas ao longo dos últimos vinte anos’ e assim considerou que sua ‘multireincidência revela sua incompatibilidade com o regime de liberdade provisória sem condições’.

Ao Estadão, a defesa informou que deve entrar com um pedido de soltura do doleiro já nesta terça-feira, 21. Segundo a defesa, os pontos citados na decisão de Appio estão esclarecidos nos autos da processo de execução penal de Youssef – a informação sobre endereço atualizado, por exemplo.

Ao fundamentar a decisão de mandar Youssef de volta ao cárcere, o juiz federal Eduardo Appio citou ‘indícios suficientes de autoria e comprovação da materialidade’ segundo a investigação da Receita, destacando ainda a necessidade de ‘assegurar a aplicação da lei penal’, uma vez que o doleiro teria mudado de domicílio sem comunicar previamente o juízo da 13ª Vara Federal de Curitiba.

Além disso, o magistrado destacou a ‘elevada periculosidade social’ de Youssef, indicando que ele é ‘multireincidente em crimes de colarinho branco e lavagem de dinheiro, no Brasil e no exterior’.

Ao sustar a extensão dos benefícios da delação premiada de Youssef à representação fiscal para fins penais apresentada pela Receita Federal, Appio ponderou que a suspensão do procedimento seria ‘verdadeira medida de impunidade’. Segundo o juiz, no bojo da apuração identificou até tentativa de compra de um avião pelo doleiro, além da compra de um helicóptero.

“Note se que no acordo de delação o ora investigado ficou obrigado a devolver apenas uma pequena parte de seu vasto patrimônio (devolver R$ 1.893,00), além de bens imóveis de difícil alienação. Ora, a própria Receita denuncia que o investigado teria se apropriado de valores muito superiores aos valores acordados. Indaga se o que foi feito do restante destes valores, até porque não há nenhuma conta ou empresa of shore mencionada no acordo de colaboração celebrado. O imóvel onde residia sua ex esposa foi mantido na sua posse”, registrou.

Por Estadão Conteúdo em 20 de março, 2023

- publicidade-

Economia