O Ministro Sebastião Reis Júnior, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), suspendeu o processo que poderia levar cinco policiais militares para júri popular. Eles eram acusados de participação na morte de nove pessoas no bairro Boqueirão, em Curitiba. Segundo a decisão publicada nesta quarta-feira dia 14, o Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) concluiu que o conjunto probatório não é suficiente para a pronúncia dos cinco, então o recurso especial do Ministério Público do Paraná (MP-PR) não seria cabível junto ao STJ.
Os cinco policiais foram presos em junho de 2016. Na ocasião, a Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) afirmou que os crimes poderiam ter como motivação a morte do parente de um policial militar. Essa investigação provocou uma reviravolta no caso, já que anteriormente um ex-comandante do Corpo de Bombeiros chegou a ser apontado como o responsável pelas mortes.
O advogado Claudio Dalledone representa Vilson Reginaldo dos Anjos e encabeçou o recurso feito junto ao STJ.
Leandro Veloso, que era um dos réus do processo e foi representado pelo advogado Jeffrey Chiquini, se disse aliviado com a decisão. “A sensação é a de que dá para acreditar na justiça e nos tribunais. É um alívio saber que sua inocência foi reconhecida, assim como o erro por parte do estado. Minha família até hoje busca saber o motivo de a Polícia Militar ter feito isso e o porquê do Ministério Público ter embarcado”, disse.

Réus

Além de Veloso e Anjos, respondiam ao processo Irineu Lori Ribeiro Junior, Alexandre Muller e Eloir de Mello Metz.
Os crimes teriam acontecido em uma região conhecida como Favela da Rocinha, entre agosto de 2010 e janeiro de 2011. Segundo as investigações, todas as vítimas seriam traficantes. Além das nove mortes, os policiais respondiam pela tentativa de morte de outras cinco pessoas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui