O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), a pedido do Ministério Público do Paraná, cumpre nesta terça-feira (29), quatro mandados de busca e apreensão, uma ordem de prisão preventiva contra um empresário e medidas de monitoração eletrônica e suspensão das funções de vereador. Ainda em Araucária, o Gaeco fez apreensão de documentos no Hospital e na secretaria de saúde que fica no prédio central da prefeitura. No Hospital, operação Raio-X que investiga um grupo criminoso, especializado em desviar dinheiro destinado à saúde, em diversos Estados.

No Paraná, a ação é um desdobramento da Operação Rota 66, deflagrada pelo MPPR em agosto do ano passado, que investiga polícos e empresários de Curitiba, Campo Largo, Araucária e outras cidades.

Essa é correlata a já feita em Campo Largo que dá conta de que empresários corrompendo servidores públicos para facilitar aprovação e implementação do programa Minha Casa, Minha Vida na cidade de Araucária”, descreveu Leonir Batisti, coordenador estadual do Gaeco do MPPR.

São apurados crimes de corrupção passiva e ativa e pagamento de propina para assegurar vantagem na aprovação e implementação de projetos habitacionais na cidade, além de eventual crime de extorsão. Os mandados foram expedidos pelo Juízo da Vara Criminal de Araucária.